Morre mais uma vítima de tratamento estético realizado por não especialista em cirurgia plástica

Na última semana mais uma vítima de intercorrência após procedimento estético realizado por não especialista foi a óbito, desta vez na cidade de Morro da Fumaça, em Santa Catarina. Graziela Cavalli, 38 anos, teve morte cerebral confirmada no último dia 12 de setembro, em virtude de um AVC isquêmico, dias depois de sentir dores de cabeça constantes, após realizar um procedimento estético na face, realizado por um não especialista em cirurgia plástica ou dermatologia.

A Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP) alerta para que a população só realize procedimentos estéticos com médicos e especialistas em dermatologia ou cirurgia plástica para que fatos tristes e lamentáveis como este não voltem a se repetir

. “Procedimentos estéticos, até mesmo os menos invasivos como botox, preenchimentos labial e facial, bichectomias e outros, podem ser fatais se realizados com profissionais que não tenham especialização. Somente um médico com especialização em cirurgia plástica ou dermatologia está apto a realizar os procedimentos”, orienta o presidente da entidade, Luciano Chaves.

A SBCP tem lutado ativamente contra profissionais não médicos que vêm realizando procedimentos estéticos como farmacêuticos, biomédicos, enfermeiros e dentistas. Em 2016 foi criado o Projeto Nacional de Defesa da Especialidade, que, com o apoio da Associação Médica Brasileira (AMB) e Conselho Federal de Medicina (CFM), tem implantado ações que impedem a realização de procedimentos estéticos ou reparadores por não especialistas, como determina o Ato Médico.